Síndrome do fim do ano: o que é e como lidar com ela?

Tristeza, ansiedade e estresse podem aflorar nessa época e ser agravados após dois anos de pandemia. Especialistas apontam as causas e os sinais de alerta

O fim do ano é sinônimo de fechamento de um ciclo. É o período em que as pessoas se encontram na missão de resolver os problemas inacabados, lidar com o acúmulo de tarefas no trabalho e na vida pessoal em um curto tempo e ainda refletir sobre o que foi feito e o que não pôde ser concluído nos últimos 12 meses. Tudo isso contribui para o aumento ou o desenvolvimento de quadros de ansiedade e depressão.

Há até quem chame esse fenômeno de síndrome do fim de ano ou dezembrite. Apesar de ser uma época de comemorações, o que parece ser felicidade para uns pode significar tristeza, estresse e desesperança para outros.

Isso gera desconforto, principalmente entre aqueles que viveram perdas devido à Covid-19 ou encaram as dificuldades e os receios da crise econômica.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 9,3% da população brasileira sofre de ansiedade. Somos o país mais ansioso do planeta.

Diante de um cenário mais caótico, precisamos nos cuidar e nos atentar ainda mais para quadros de tensão e angústia neste período. Eles podem evoluir para transtornos de ansiedade, depressão ou, no contexto do trabalho, burnout.

Identificar as emoções e as razões que levam a senti-las, priorizar sua saúde física ao ter uma rotina de sono e praticar exercícios, ter consciência da sua realidade e manter contato com as pessoas que ama proporcionam mais qualidade de vida nessa fase.

E, em relação ao novo ano, lembre-se de estipular metas mais no curto prazo, porque não conseguimos controlar nem prever o futuro.

Fonte: Saúde Abril.