O creme de avelã está no alvo

Produto é fonte de óleo de palma, que pode ser prejudicial à saúde e ao ambiente

Recentemente, Jean-Luc Mélenchon, candidato à Presidência da França, fez uma declaração que ganhou as manchetes: ele disse que, se eleito, gostaria de banir um famoso creme de avelã do país. Isso porque, mais do que um reduto de açúcar, o produto é cheio de óleo de palma.

Para a nutricionista Maísa Antunes, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), de fato o ingrediente merece críticas. Em primeiro lugar, o cultivo de palma ocorre às custas de muito desmatamento.

Depois, errar a mão no óleo ameaça nossa saúde. Em experiência com cobaias, Maísa notou que o consumo aumentou o colesterol, os triglicérides e a gordura no corpo de forma geral — com destaque para o fígado. “Para nós, apenas três colheres por dia já fariam mal”, revela a pesquisadora.

Você realmente lê o rótulo?

A gordura trans, outra vilã, foi banida e deve sair do mercado até 2023. Mas nem dá tempo de celebrar. “Já tem muito fabricante colocando o óleo de palma no lugar”, conta Maísa.

Ele pode surgir com nomes similares, como gordura de palma ou oleína de palma. Nunca deixe de ler a lista de ingredientes. “Se aparecer ‘gordura vegetal’, pode ser a trans clássica ou outro óleo modificado e prejudicial”, aponta a nutri.

Olho nelas - Algumas categorias em que o óleo de palma marca presença

- Bolos prontos

- Sorvetes de massa

- Cookies

- Pães integrais

- Barrinhas de cereais

- Granolas

- Bombons

- Biscoitos (inclusive com apelo fit)

Fonte: Saúde Abril.