O que os nutrientes têm a ver com a sua saúde mental

Crescem as evidências de que certas substâncias dos alimentos exercem um papel no combate ao estresse, na melhoria do sono e no reforço à memória

O que seriam apenas alguns dias trabalhando em casa, adotando medidas de prevenção e isolamento social, transformou-se em meses, e agora já passamos de um ano em uma dinâmica de restrições e adaptações devido à Covid-19. Por estarem mais tempo em casa, muitos acharam que finalmente poderiam ter uma alimentação balanceada e nutritiva, mas essa expectativa acabou sufocada pela tensão e pelas horas dedicadas ao serviço, o que levou ao maior consumo de alimentos industrializados, ultraprocessados e pobres em vitaminas e minerais.

Soma-se a esse cenário a invasão do fast food via delivery na casa dos brasileiros e assistimos a uma dificuldade crescente em manter refeições saudáveis. Só que, longe de ser algo pontual, essa situação pode influenciar, e muito, o bem-estar físico e mental.

Queixas como esquecimento, depressão, fadiga mental, irritabilidade, má qualidade do sono, etc. podem ser consequência de mudanças no estilo de vida. A ciência mostra que as deficiências nutricionais podem acarretar nesses problemas. Em relação aos cuidados alimentares, a dieta mediterrânea baseada em gorduras benéficas como frutas, vegetais, peixes, nozes e azeite é a dieta que mais comprovadamente contribui para o bom funcionamento cognitivo. Esses alimentos contêm nutrientes chamados “nootrópicos”, que, ajudam a melhorar a comunicação entre os neurônios.

Ainda não temos previsão para o fim da pandemia do coronavírus, nem sabemos quando poderemos retomar as rotinas equilibradas de antes. Por isso, precisamos ampliar os cuidados com a alimentação, checar se há carência de nutrientes importantes, reservar um momento para realizar as refeições com calma, praticar exercícios, evitar telas de celular e TV próximo ao horário de dormir e fazer pausas relaxantes ao longo do dia. Só com o corpo e a mente bem nutridos vamos superar essa fase.