Dor de ouvido? Pode ser otite. Veja as causas e como agir diante do quadro

Banhos de mar ou piscina predispõem ao problema, que merece avaliação médica e cuidados específicos

O verão é, para muita gente, a estação mais esperada do ano. Tem calor, piscina, mar, férias… Mas, infelizmente, é nesse período também que algumas chatices costumam incomodar mais. Caso da otite, cujo principal sintoma é a dor de ouvido. Uma piora na audição e a sensação de entupimento também são sinais de alerta.

De acordo com a médica otorrinolaringologista Maura Neves, da Universidade de São Paulo (USP), há dois tipos de otite. A externa atinge o canal auditivo, antes do tímpano. Já a média afeta a região atrás do tímpano.

“Mas os sintomas são muito parecidos”, diz. O único ponto é que, na externa, geralmente não há febre, enquanto na otite média ela pode ou não aparecer.

“Por isso, apenas um exame médico é capaz de fechar o diagnóstico”, avisa Maura. O quadro acomete tanto adultos quanto crianças.

Por que a otite surge no verão e o que fazer diante da dor

Nessa época, banhos de piscina e mar se tornam mais comuns. E o excesso de umidade – assim como um eventual trauma na área – pode lesar a pele, permitindo a entrada de bactérias capazes de disparar uma infecção. Ou seja, a otite.

Formas de prevenção

Quando os mergulhos acontecerem com mais frequência, Maura recomenda secar bem a região das orelhas após o banho.

“Pode usar a própria toalha ou até mesmo um secador de cabelo em temperatura baixa e distante da orelha cerca de 30 centímetros”, aconselha a expert.

Hastes flexíveis? Nem pensar!

Esses acessórios não devem ser cogitados para secar nem desentupir os ouvidos. “As hastes flexíveis podem machucar a pele do canal auditivo”, resume Maura. Isso aumenta o risco de otite externa.

O hábito também está associado ao depósito de cerume no fundo da orelha, próximo ao tímpano, culminando em dor e redução da audição.

Sem falar que existe o perigo de cutucar a área de forma tão profunda que o desfecho é uma perfuração timpânica.

Fonte: Veja Saúde.